Saúde


Bento registra mais de 1,5 mil casos da doença Diarreica Aguda

Maioria dos infectados são pessoas acima dos 20 anos
15/10/2021 Portal Adesso - Foto: Reprodução

     Os casos da Doença Diarreica Aguda (DDA) não param de crescer na Serra Gaúcha. Em Bento Gonçalves, conforme boletim do Serviço de Vigilância Epidemiológica divulgado nesta quinta-feira (14), 1.550 casos da doença foram registrados no período entre 01/09 a 14/10. Destes, 750 somente nas primeiras semanas de outubro. 

     De acordo com o boletim, a maioria dos casos é de faixa etária acima dos 20 anos (64,8%). Já os demais 35,2% de casos está na faixa etária abaixo de 20 anos (crianças e adolescentes). Os bairros com maior registro da DDA são o Aparecida, Borgo, Municipal, Ouro Verde, São Roque, Santa Helena, Vila Nova I e II, e Zatt. Juntos, eles somam 48,6% do total de casos.

     A DDA é uma síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus, parasitas), cuja manifestação predominante é o aumento do número de evacuações que podem ser aquosas ou de pouca consistência. Pode vir acompanhada de vômito, febre e dor abdominal. Em alguns casos pode haver a presença de muco ou sangue nas evacuações. No geral são autolimitadas com duração de 2 a 14 dias. Além de diarreia, um número menor de doentes relatou episódios de vômito e de dor abdominal. A febre não tem sido um sinal predominante entre os casos. Em geral, a transmissão dos agentes causadores de DDA costuma ocorrer através da via fecal-oral, seja pela ingestão de água ou de alimentos contaminados, pelo contato com objetos contaminados ou, ainda, pelo contato pessoa a pessoa.

     Para evitar um número ainda maior de casos, o setor de Vigilância Epidemiológica de Bento está enviando amostras de fezes dos doentes para o Laboratório Central do Estado do Rio Grande do Sul (Lacen), a fim de fazer o diagnóstico do provável agente causador do surto de DDA. As amostras enviadas ainda estão sendo analisadas.

Medidas de Controle e Prevenção da DDA

     -As principais medidas de controle e prevenção incluem a lavagem de mãos frequente, especialmente após ida ao banheiro, trocas de fraldas e antes de comer ou preparar a comida.

     -A lavagem cuidadosa de frutas e vegetais de preferência com cloro, devem seguir as orientações contidas no rótulo da embalagem do produto.

     -Cuidados com a água para consumo humano como, por exemplo, a fervura da água não tratada e o não consumo dela se a fonte não for segura são medidas importantes para o controle de agentes etiológicos de transmissão principalmente hídrica.

     -Após cozinhar os alimentos os mesmos devem ser manipulados de maneira adequada sobre superfícies limpas e de preferência não porosas.

     -Limpar as superfícies contaminadas com álcool ou hipoclorito de sódio sempre que possível, por exemplo, banheiros, pias para lavagem de mãos, entre outros.

     -Os reservatórios domiciliares e de abastecimento (caixas d’agua) precisam ser limpos de preferência anualmente.


MAIS NOTÍCIAS