Geral


Metalúrgicos: Negociação com classe patronal não sinaliza acordo

20/08/2013 Imprensa Sindicato dos Metalúrgicos Carlos Barbosa

     A primeira reunião de negociação do dissídio 2013 dos metalúrgicos de Carlos Barbosa com o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs), em Caxias do Sul, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Todson Marcelo Andrade, considerou que a classe patronal fez da ocasião um mero encontro protocolar. “Eles não nos trouxeram sequer um parâmetro sobre o nosso pedido pelo reajuste de 14%”, afirma Todson.

     Acompanhado do vice-presidente do Sindicato, Vanderlei Werner, do tesoureiro, Volnei Machado da Cruz, do economista David Fialkow e doutor Pedro Maurício Pita Machado, Todson afirma que a ocasião foi mais pautada pela tentativa dos patrões em inibir as assembleias dos trabalhadores nas portas de fábrica do que para discutir o dissídio e suas 71 cláusulas sociais.

     Há duas semanas a direção do Sindicato dos Metalúrgicos de Carlos Barbosa entregou a pauta de reivindicações a dirigente do Simecs do acordo coletivo deste ano, sendo que o documento reivindica além do reajuste salarial de 14%, 71 cláusulas sociais, como auxílio creche, transporte subsidiado, quinquênio, elevação do piso para R$ 1.270,00, entre outros. No entanto, mesmo que em algumas situações as cláusulas se assemelham às de Caxias do Sul, o dissídio de Carlos Barbosa tem suas especificidades que devem ser debatidas, o que não ocorreu nesse primeiro encontro. “Sabemos que as empresas de Carlos Barbosa estão em franco desenvolvimento e o que pedimos não é mais do que os resultados obtidos graças ao trabalho da classe metalúrgica, que é de direito”, explica o presidente.

     A reivindicação de 14% de reajuste salarial é justa, considerando o crescimento da produção industrial conforme dados do IBGE. Além disso, tem os benefícios concedidos às empresas pelo Governo Federal, como redução de energia elétrica, redução de IPI e a queda da inflação no segundo semestre do ano.

     Já foi agendada uma nova reunião de negociação para o dia 21 de agosto, próxima quarta-feira. Estiveram presentes na negociação Odacir Conte, diretor do Simecs, Marco Antonio de Lima, advogado, Giuliano Fornazier, representante da Grendene, Cláudio Onofre, representante da Tramontina e Paulo Ricardo Goulart, representante da Irwin.

 

 

MAIS NOTÍCIAS