Polícia


Sem recursos, viaturas da BM ficam até seis meses paradas em Bento Gonçalves

04/04/2016 Rádio Gaúcha Serra - Foto: Brigada Militar de Bento Gonçalves / Divulgação

     Pelo menos sete viaturas estão paradas no pátio da Brigada Militar de Bento Gonçalves. Sem dinheiro para o conserto não há como colocar os veículos em circulação. Uma delas está parada há cerca de seis meses após se envolver em um acidente.

   Reportagem da Rádio Gaúcha Serra, mostra que de acordo com o subcomandante do 3º Batalhão de Policiamento de Áreas Turísticas (Bpat), capitão Reni Zdruikoski, até o início da semana passada eram 10 viaturas 'baixadas', quatro por acidentes e as demais por problemas mecânicos. Segundo o capitão, no final da semana passada, a entrada de um recurso do Estado possibilitou o conserto de três viaturas, mas ainda não suficiente para colocar em uso a que está parada há seis meses e as outras seis.

     Em Bento, o valor para o conserto e manutenção de viaturas vem do Estado e, principalmente, da Fundação Consepro de Apoio à Segurança Pública de Bento. Desde setembro, os repasses do Consepro à Brigada Militar diminuíram. Não apenas para a manutenção das viaturas, mas também para o pagamento do auxílio-moradia dos policiais que atuam no Policiamento Comunitário, que chegou a atrasar.

     Conforme o presidente da Fudação Consepro de Bento, Geraldo Leite, a prefeitura, a principal fonte de recursos do Consepro, atrasou o repasse no final do ano passado. Ainda está pendente o pagamento do auxílio-moradia de dezembro. Mas a maior dificuldade é com o repasse do município para outras demandas da segurança pública, como a manutenção das viaturas. Assim, a Fundação está intensificando o trabalho junto à comunidade para conseguir mais dinheiro.

     Ainda segundo Leite, desde setembro do ano passado, os repasses de entidades particulares têm diminuído, em média, R$ 20 mil a cada mês. Em todo o ano de 2014, o Consepro de Bento recebeu R$ 750 mil, entre repasses da prefeitura, Judiciário e particulares. Em 2015, foram R$ 662 mil.

 

MAIS NOTÍCIAS