Geral


Funcionários dos Correios iniciam greve a partir desta quinta-feira

15/09/2016 Guilherme Kepler/Rádio Guaíba - Foto: divulgação

    Os servidores dos Correios do Rio Grande do Sul decidiram entrar em greve a partir desta quinta-feira (15), após assembleia realizada na noite de ontem no salão da Igreja Pompéia, em Porto Alegre. A deliberação ocorreu após a categoria rejeitar a proposta salarial da empresa. Conforme o sindicato que representa os trabalhadores, o reajuste rejeitado prevê reposição de 6%, retroativa a agosto, e mais 3%, em fevereiro do ano que vem, além da antecipação de pagamento de gratificações.

     Entre as principais reivindicações da categoria estão reajuste salarial acima da inflação com aumento real de R$ 300 nos salários, manutenção do plano de saúde, melhorias nas condições de trabalho; realização de concurso e a não-privatização da empresa.

     Durante a manhã de hoje, um grupo de servidores se concentrou em frente à sede central dos Correios em Porto Alegre, na avenida Siqueira Campos. Conforme o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos (SINTECT/RS), Yuri Aguiar, a adesão à greve no primeiro dia é de 60% no Rio Grande do Sul. Ainda conforme o sindicato, a decisão vale para toda a base de atuação (carteiro, atendentes comerciais e servidores dos centros de triagem). Na tarde de hoje, mais uma assembleia define os rumos do movimento.

     Por meio de nota, a superintendência dos Correios no RS informou que todas as agências do Rio Grande do Sul seguem abertas nesta quinta-feira, realizando atendimento à população. Permanecem sendo prestados, inclusive, os serviços bancários, nas unidades com Banco Postal. Foram suspensos, porém, os serviços de entrega com hora marcada (SEDEX Hoje, SEDEX 10 e SEDEX 12).

     A greve dos Correios também ocorre nos estados de Santa Catarina, Minas Gerais, Piauí, Ceará e Sergipe. Vinte e cinco dos 36 sindicatos dos trabalhadores dos Correios em todo o país decidiram aceitar a proposta de reajuste oferecida pela empresa e não paralisar as atividades.

 

 

MAIS NOTÍCIAS