Política


Deputado mais votado em Carlos Barbosa se envolve outra vez em polêmica

10/10/2017 Portal Adesso - Foto: Foto: Marcelo Bertani/ Site Assembléia Legislativa do RS

     Depois de ficar conhecido por chamar servidores públicos de “vadios” e ter funcionários fantasmas em seu gabinete, Álvaro Boéssio (PMDB) foi flagrado discutindo com repórter.

     Apoiado por diversas lideranças do município e alguns setores do baixo escalão da imprensa barbosense, o Deputado Estadual Álvaro Boéssio (PMDB), foi o candidato mais votado em Carlos Barbosa na sua campanha para a reeleição em 2014. Ao todo, Boéssio fez 3.374 votos. Sua votação só foi menor que em sua cidade natal, Farroupilha.

     Além de dar grande número de votos ao parlamentar, Carlos Barbosa, também foi responsável pelo primeiro escândalo envolvendo Boéssio. Uma assessora natural de Carlos Barbosa e lotada em seu gabinete, permaneceu por cerca de um ano com “passe livre” para ficar em casa em horário de expediente e nem mesmo comparecer no gabinete parlamentar em Porto Alegre. Ela recebia R$ 2.838,72 mensais, como foi publicado em reportagem do Jornal Pioneiro em 08 de julho de 2015.

     A segunda polêmica, foi quando em um programa de rádio, o deputado chamou os servidores públicos de vadios, fato que repercutiu na grande mídia de todo o país. Além disso, ele também dirigiu algumas palavras aos professores gaúchos. De acordo com o peemedebista, metade dos docentes da rede pública do Rio Grande do Sul estão sem trabalhar, e por “coisas que não são lógicas”, conforme a revista Exame em 01 de setembro de 2015.

     Já a terceira polêmica, ocorreu no último mês de agosto, quando outro funcionário fantasma que tinha um salário de R$ 10 mil foi visto atuando como corretor de imóveis em Farroupilha. Em reportagem da TV Globo, o assessor do deputado Álvaro Boésio, foi flagrado prestando serviços a uma imobiliária da cidade, da qual utiliza até cartão de visita com seu nome. Por três vezes, o repórter simulou negociar um apartamento com o assessor, que em nenhuma das ocasiões se apresentou como funcionário do parlamento. O salário do assessor era de R$ 10 mil mensais.

     Na oportunidade, o deputado disse que não sabia que o assessor atuava como corretor de imóveis e negou que o mesmo seria um funcionário fantasma. O assessor foi demitido.

     Nesta semana, o Deputado do PMDB voltou a ser destaque na mídia. Ele apareceu em uma gravação chamando o repórter Giovani Grizotti da RBS TV de Pilantra, quando foi indagado sobre o ex-funcionário ele disse:"Tu é um sem-vergonha, pilantra! Uma horas hora dessa vai sobrar pra ti", falou o deputado ao repórter.

 

 

MAIS NOTÍCIAS