Geral


Restos mortais de Dom Aloísio Lorscheider será levado para São Paulo

31/08/2018 Portal Adesso - Foto: Arquivo

     Passados dez anos de seu falecimento e enterro, o corpo de Dom Aloísio Lorscheider será transladado do Convento São Boaventura, localizados em Imigrante, para o Santuário Nacional de Aparecida, em Aparecida do Norte, São Paulo, último lugar onde o religioso atuou.

     Em meio a uma série de discussões envolvendo líderes da Igreja e fieis, que já vem se estendendo há seis anos, a remoção foi definida para a próxima terça-feira (4). A despedida do religioso será marcada por uma missa, com transmissão nacional.

     Segundo o presidente da Conferência dos Frades Menores do Brasil – CFMB, e ministro da Província de São Francisco de Assis no Rio Grande do Sul, frei Inácio Dellazari, é uma tradição da igreja que quando um bispo falece, o mesmo seja enterrado na última diocese onde exerceu seu ministério.

     Os conflitos iniciaram com uma carta que o cardeal Dom Raymundo Damasceno de Assis, de Aparecida do Norte, enviou ao frei Inácio, onde questionava a possibilidade de transferência do corpo.

     Em 2016 os frades gaúchos concordaram com a remoção e, desde então uma agenda em prol do translado vem sendo cumprida. Recentemente o corpo do cardeal foi exumado e os restos mortais depositados em uma urna, onde irão permanecer até no convento de Imigrante, até a próxima semana.

     Para preservar a imagem do religioso, os frades deverão construir um memorial em Daltro Filho, sendo que a obra deve iniciar ainda neste ano.

     Natural da cidade de Estrela, Dom Aloísio iniciou sua vida religiosa no convento de Daltro Filho, atual bairro de Imigrante. Até o ano de 1988, a localidade pertencia a Garibaldi, sendo um reduto da família Lorscheider.

 

Curiosidades

     Foi o único cardeal brasileiro até hoje a receber votos em um dos conclaves (primeiro conclave de 1978).

     No filme The Godfather: Part III O Poderoso Chefão parte 3, é citado durante a votação para eleição do novo papa, em 1978, em que foi eleito o papa João Paulo I.

     Em 15 de março de 1994, foi tomado como refém por detentos do Instituto Penal Paulo Sarasate, em Fortaleza, enquanto acompanhava uma visita da Pastoral Carcerária.  Na ocasião, pediu que fosse o último dos reféns a ser libertado, o que aconteceu 20 horas depois, após intensa mobilização da polícia cearense. Ao ser libertado, disse que rezaria pelos sequestradores e chegou a lavar os pés de alguns deles, durante uma missa da Quinta-Feira Santa.

 

 

 

 

 

 

MAIS NOTÍCIAS