Saúde


Farroupilha: Médicos do Hospital São Carlos estão sem receber salário

28/01/2014 Jornal Pioneiro

     Matéria publica na edição desta terça-feira (28), no Jornal Pioneiro, mostra que persiste o impasse sobre administração do Hospital São Carlos de Farroupilha. Enquanto isso, médicos estão desde o mês de agosto sem receber salário. Acompanhe a reportagem assinada pela jornalista Manuela Teixeira:

     A comunidade de Farroupilha continua aguardando um desfecho quanto à administração do Hospital Beneficente São Carlos. A expectativa era de que o hospital, que acumula dívidas de R$ 10 milhões, passasse a ser gerido pelo Estado.

     As tratativas eram feitas entre a prefeitura e a direção da entidade. Márcio Rissi, presidente do conselho da instituição, afirma que a direção avalia uma alteração na proposta inicial da administração municipal.

     Segundo ele, inicialmente,  a proposta era a de  transferência do hospital para a prefeitura, sob gestão da Fundação Hospitalar Getúlio Vargas, que administra outros quatro hospitais no Estado. Há cerca de três semanas,  a oferta mudou: o hospital continuaria privado, mas  a gestão seria pública e o atendimento passaria a ser 100% gratuito.

     A direção do hospital tem visitado outras insituições com modelos  parecidos, como o Hospital de Montenegro. Rissi não garante o acerto. — A proposta foi baseada na Resolução 122 da Secretaria da Saúde do Estado. Tem coisas boas, procedimentos bons, mas algumas coisas não se adaptam. Por exemplo, 57% da população de Farroupilha tem plano de saúde. O que vamos fazer com essa parcela da comunidade? Além disso, os médicos já advertiram que não querem o atendimento 100% pelo SUS. Não descartamos  a possibilidade do hospital continuar totalmente privado — afirma.

     Enquanto a direção estuda o modelo, os médicos que atuam na UTI e os de regime de sobreaviso - contratados por meio de empresas para especialidades de traumatologia, clínica, pediatria, neurologia e vascular - estão desde agosto sem receber salários.

     Eles atenderão até o dia 20 de fevereiro. Rissi, porém, acredita que antes disso o hospital deve tomar uma decisão sobre o futuro da gestão. Diariamente, a instituição atende entre 150 a 280 pessoas no Pronto Atendimento. No mês de dezembro, durante aproximadamente 20 dias, as cirurgias eletivas foram interrompidas.

 

MAIS NOTÍCIAS