Turismo e Gastronomia




Jornalistas de Bento que exploram a América de carro chegam em Ushuaia

Após 42 dias de expedição, Carina Furlanetto e João Paulo Mileski alcançaram a cidade mais austral do mundo
01/04/2019 Portal Adesso - Fotos: divulgação
Anterior Próximo

     Os bento-gonçalvenses Carina Furlanetto e João Paulo Mileski, 31 anos, alcançaram o primeiro marco da expedição “Crônicas na Bagagem”, que tem o objetivo de passar por 10 países da América do Sul e por todos os estados do Brasil a bordo de um Renault Sandero 1.0. Neste domingo, dia 31, após 42 dias da largada em Bento Gonçalves, eles chegaram em Ushuaia, a cidade mais austral do mundo.

     Ambos são jornalistas e estão escrevendo crônicas sobre as experiências. Para tornar possível a jornada com um orçamento baixo, o casal se auto desafiou a não pagar por hospedagem nesse primeiro momento, e a meta tem sido cumprida. Até chegar ao “fim do mundo”, eles passaram 22 noites em casas de pessoas que os acolheram, três noites em campings gratuitos e outras 16 dormindo no próprio carro. Além disso, ficaram seis dias sem banho. “É claro que passar a noite em um carro pequeno, que não está adaptado para ser um motorhome, não é muito confortável, assim como ficar um dia sem banho, mas todo o sacrifício, até agora, está valendo a pena. Mesmo que a expedição esteja apenas no começo, já passamos por tantas experiências que nos fizeram repensar a forma como víamos o mundo e as pessoas”, relata Carina.

     Entre as experiências mais marcantes, segundo o casal, está o encontro com o ex-presidente uruguaio, José Mujica; a plantação de girassóis no caminho a Carhué; a pinguineira de Cabo dos Bahias; a praia de conchinhas em San Antônio Este; o bosque salinizado em Villa Epecuén; a "colônia" de lobos marinhos de Caleta Olívia; a Laguna Azul em Rio Gallegos e a Laguna Negra em Tolhuin. “Fora os lugares, fomos tocados pela generosidade das pessoas que cruzaram o nosso caminho. Por duas vezes tivemos problemas com o carro. Primeiro, quando atolamos, o primeiro veículo que passou parou para ajudar, o segundo também. Em poucos minutos estávamos em várias pessoas tentando empurrar. Depois, quando ficamos sem bateria, novamente as pessoas foram muito solidárias. Uma senhora passou de moto, chamou os conhecidos para ajudar e no dia seguinte ainda nos convidou para comer um assado na sua casa. Estávamos tão acostumados com notícias ruins todos os dias nos meios de comunicação que tínhamos um pouco de medo do que encontraríamos, mas essa viagem está nos mostrando que ainda é possível acreditar e confiar nas pessoas”, salienta Mileski. 

     A expedição tem duração estimada de dois anos. Para concretizar e viabilizar o projeto, o casal interrompeu os estudos – Carina cursava Psicologia, e Mileski, Filosofia - alugou o apartamento que possui e vendeu livros, louças, bicicletas, roupas, decoração e tudo o que não seria útil na viagem. A meta é não gastar mais do que R$ 100 por dia. Até aqui, a média é de R$ 109. “Estamos um pouco acima por conta dos suprimentos que compramos na saída e da documentação necessária para entrar no Uruguai, Argentina e Chile, mas acreditamos que em breve vamos chegar à meta traçada e assim conseguir cumprir o roteiro que pretendemos”, ressalta Carina. 

     O casal compartilha diários, fotos e vídeos das experiências nas redes sociais (Instagram.com/cronicasnabagagem e fb.com/cronicasnabagagem) e no site www.cronicasnabagagem.com. Na volta, eles pretendem escrever um livro com as principais crônicas do projeto.  

MAIS NOTÍCIAS