Geral


Empresários clamam por melhorias no Distrito de Tamandaré

Distrito Industrial de Garibaldi sofre com estrutura precária. Falta de energia elétrica e água são comuns no local
05/04/2019 Portal Adesso - Foto: Mariana Maiolli/Portal Adesso

     O distrito industrial de Tamandaré, que faz divisa entre Garibaldi e Bento Gonçalves, e tem um papel fundamental no município, com cerca de 100 empresas e 48% da arrecadação na cidade tem sido visto com descompromisso pelos órgãos competentes. 

     O descaso acontece por conta das repetidas interrupções no abastecimento de energia elétrica. As faltas de luz acontecem durante vários dias da semana e os moradores não conseguem ficar com luz durante uma semana inteira. Outro problema enfrentado é a falta de água, em consequência da falta de luz. Além disso, os postes de luz precisam de manutenção constante. 

     Conforme o Engenheiro Civil, empresário e morador da região, Michel Bianchi um abaixo-assinado foi protocolado na prefeitura de Garibaldi, para que as demandas emergenciais possam ser enviadas aos órgãos responsáveis. “ Já realizamos reuniões com o vice-prefeito Antônio Fachinelli e um documento foi protocolado, mas ainda não houveram mudanças. Postes precisam ser substituídos e o reservatório de água não tem dado conta das empresas. Chegamos a passar até dois dias sem água”, afirmou.  Já Renan Poletto (foto), que funcionário de uma construtora, lamenta o descaso do poder público que segundo ele, poderia fazer muito mais pelo distrito que gera a metade do imposto de Garibaldi. "Temos a impressão que o distrito industrial de Tamandaré fica lá no Nordeste ou em Manaus. Ele não parece ser de Garibaldi", diz Poletto.

Contraponto

     O vice -prefeito Antônio Fachinelli ressalta que as atuais demandas de Tamandaré não tem vínculos diretos com a Administração Municipal. “Se observarmos cada uma destas demandas, veremos que elas são ligadas à RGE e á CORSAN”, afirmou. Segundo ele, a respeito das constantes quedas de luz, durante esta semana um abaixo-assinado foi entregue pelos moradores e autoridades para a Administração, buscando o efetivo envolvimento do Poder Público. 

     A respeito da Corsan, Fachinelli reforçou que o município não tem gerência sobre isso, porém afirmou que a Administração fará intervenções mais detalhadas relacionadas a este assunto. Segundo ele, está prevista a instalação de um reservatório, mas o que falta é a locação. “Ainda não há a locação de um terreno para que haja o funcionamento deste reservatório”, afirmou. 

     Ele ainda pontuou que a prefeitura já fez pequenos investimentos naquela localidade, como asfaltamento de vias e pequenas obras de manutenção. “Alguns investimentos maiores estão previstos para o próximo ano, como a conclusão do Ginásio de Esportes”, concluiu. 

      Além disso, o trevo que de entrada àquela localidade tem sido o principal motivo de acidentes quase que diários e mortes, tornando-se o mais crítico da RSC 453. O acesso tem uma intensa movimentação por. Um documento foi entregue às autoridades estaduais em fevereiro para que fossem tomadas medidas a respeito deste trecho. O local não conta com uma rótula ou um trevo, fazendo com que os condutores tenham que agir com extremo cuidado para atravessar a rodovia. Diversos acidentes têm acontecido no local, com intensa frequência, mas nenhuma providência foi tomada pelos órgãos competentes.

MAIS NOTÍCIAS