Economia


Hotéis da região estão com ocupação quase zero

O setor do turismo foi um dos mais afetados pela pandemia de Coronavírus e será um dos últimos a se reerguer
14/04/2020 Portal Adesso - Foto: Arquivo

     Uma época que teria tudo para ser próspera para a rede hoteleira da região, com diversas feiras e eventos programados nas cidades vizinhas, transformou-se em portas fechadas, apartamentos desocupados e incertezas por parte de quem gerencia e quem trabalha no ramo. Sem hospedes, muitos empreendimentos optaram por fechar as portas e dar férias para a equipe de trabalho. Sem saber o que virá pela frente, muitos estabelecimentos estão tentando encontrar um rumo para se manter no mercado e não ter que demitir seus funcionários.

     Algumas redes de hotéis reviram as atividades em seus empreendimentos, como é o caso do Grupo Dall’Onder, que encerrou uma de suas unidades em Caxias do Sul, devolvendo o prédio para a construtora, além de paralisar as atividades nas unidades Ski, em Garibaldi e Vittoria, em Bento Gonçalves, como noticiado ontem pelo Portal Adesso. Segundo informações o Grupo Dall’Onder já demitiu mais de 140 funcionários de suas unidades.

     Outras hospedagens da região estão adotando medidas para não serem engolidos pela crise. O Hotel Casacurta em Garibaldi, optou por fechar durante a pandemia e esperar o melhor momento para reabrir. Segundo César Nicolini, diretor administrativo do hotel, a ideia inicial é retorna em maio, mesmo sabendo que a retomada será lenta e gradual. “Janeiro e fevereiro foram muito bons. Março também seria, mas começaram a cancelar os eventos por causa do coronavírus. Aí a ocupação foi quase a zero. Para evitar prejuízos, nós resolvemos fechar e esperar as coisas melhorarem um pouco”, explica.

     A situação é quase idêntica a encontrada pelo Hotel Pieta. Com altos índices de ocupação nos primeiros meses do ano, e uma grande procura por causa das feiras que aconteceriam em Bento Gonçalves, o hotel se viu com dezenas de solicitação de cancelamentos ou adiamento de reservas no mês de março. Conforme Rosângela Pieta, uma das proprietárias do estabelecimento, o hotel está fechado desde 20 de março e retomará as atividades a partir desta quarta-feira (15). “Com a volta da indústria, estão começando a nos procurar novamente para reservas, muitos profissionais de manutenção industrial, que vem de outras cidades precisam ter onde ficar”. 

     Quem difere um pouco desta realidade é o Hotel Mosteiro São José. Operando com 30% de ocupação, e adaptado a oferecer somente metade dos cômodos disponíveis, evitando aglomeração, o hotel se mantem com seus hóspedes-moradores e com a demanda vinda de trabalhadores de outras cidades que prestam serviço para a indústria local. Richard Ewald, gerente da rede de hotéis a qual pertence o Hotel Mosteiro São José, afirma que, por mais que a ocupação não ficasse tão abaixo, foi cogitado o fechamento da unidade até a melhora do mercado. “Nós temos que, de alguma forma, tentar sustentar nossa economia. Por isso não fechamos. Tivemos a procura durante esse período de profissionais do meio corporativo, que prestam serviço para as empresas de nossa região”, explica.

     Dos três estabelecimentos procurados pela reportagem, todos buscaram de alguma forma manter seus colaboradores, seja com ajuda do Governo Federal, que disponibilizou uma linha de crédito para pagamento de salários, seja operando com flexibilização da jornada de trabalho e a concessão de férias para parte dos trabalhadores. Outra certeza, que todos os responsáveis pelos empreendimentos têm, é que o setor do turismo será um dos últimos a se reerguer depois de encerrado este período de pandemia. 


MAIS NOTÍCIAS