Geral


Denúncia de possível compra superfaturada na Secretaria de Saúde de Garibaldi

Com dispensa de licitação, Prefeitura de Garibaldi pagou R$ 4.200 por macacão. Bombeiros e SAMU utilizam produto que custa R$ 32
28/07/2020 Portal Adesso - Foto: Foto ilustrativa (não foi divulgada foto do produto adquirido)
Anterior Próximo

     Durante a sessão ordinária da Câmara Municipal de Vereadores de Garibaldi nesta segunda-feira (27), o vereador Luiz Carlos Rodrigues, o Bombeiro (PP), fez graves e sérias denúncias contra a administração municipal. Conforme o vereador, o município de Garibaldi pagou R$ 4.200 por um “macacão ventilado”, que seria utilizado por motorista de ambulância da Secretaria Municipal de Saúde. O produto foi adquirido de uma empresa que tem sede na cidade de São Sebastião do Caí. 

     Ainda durante a sessão, o vereador Eldo Milani (MDB), questionou a postura do vereador bombeiro e disse que ele estava mentindo, fazendo politicagem. “Isso é covardia esta política que está sendo empregada aqui. É um ato irresponsável”, disse. O vídeo pode ser visto abaixo desta matéria.

     Nesta terça-feira (28), a equipe do PORTAL ADESSO buscou através do site da transparência, detalhes da compra do macacão. Lá é possível verificar que a aquisição foi feita com dispensa de licitação, isto é, quando órgão público adquire produtos em situações de emergência, sem precisar fazer qualquer concorrência de preço.

     Além disso, nossa equipe procurou técnicos de segurança que vendem e utilizam equipamentos de proteção individual. Durante as entrevistas, ficamos sabendo que uma empresa de São Sebastião do Caí, tentou vender aos Bombeiros Voluntários de Garibaldi um macacão ventilado. “Achei o produto muito estranho, não vi nenhuma certificação e me disseram que ligavam a ventilação no ar condicionado da ambulância, sendo que os protocolos proíbem o uso do ar condicionado no transporte de pacientes covid. O macacão ainda tinha mangueiras de ar, que era igual as de saída de água das máquinas de lavar roupas (risos)”, nos contou um integrante do corpo de bombeiros de Garibaldi que pediu para não ser identificado. 

     O fato mais estarrecedor é que fomos informados que os motoristas da ambulância não estão utilizando o macacão de R$ 4.200, mas sim o mesmo macacão que é utilizado pelos profissionais do SAMU e pelos bombeiros voluntários que custa R$ 32 reais. 

     O ex-bombeiros voluntário e proprietário da Bravos Treinamentos, empresa de Carlos Barbosa, que comercializa produtos de segurança, Fabrício Facchini, disse que o macacão comprado pela prefeitura de Garibaldi é uma piada. 

     “Eu duvido que este macacão que pagaram R$ 4.200 tenha certificação do Ministério do Trabalho. Todas as equipes, no Brasil inteiro que estão atuando no resgate e transportes de pacientes do coronavírus, estão utilizando o macacão nível C para riscos biológicos, que é um macacão branco tipo 6 chamado Tyvek RQ500. Ele foi vendido para os bombeiros de Garibaldi por R$ 32 e para o Hospital São Pedro de Garibaldi que foi fornecido ao SAMU por R$ 65. A diferença do valor se deu pois era outro lote e com a escassez dos produtos teve esta alta. Agora, estes comprados pela prefeitura por R$ 4.200 é uma piada, não vou nem falar” criticou Facchini. 

CONTRAPONTO

     Buscando sempre pela imparcialidade dos fatos, nossa equipe procurou a assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Garibaldi e pediu esclarecimentos sobre a denúncia do vereador. Estas foram algumas das perguntas enviadas ao município: 

Qual o posicionamento da Prefeitura quanto a fala do vereador?

Foi feita pesquisa de preço antes da aquisição?

Empresas de Garibaldi foram consideradas para a realização dessas compras?

Até o fechamento desta reportagem às 18:50 desta terça-feira (28), o município não havia respondido aos questionamentos. 

     Deixamos aqui, livre espaço para as manifestações que a administração municipal achar necessária.





MAIS NOTÍCIAS