Educação


Pesquisa aponta que prefeitos são contra retorno das aulas proposto pelo Estado

A maioria dos gestores dos municípios gaúchos também discorda que o retorno deva ser feito pela Educação Infantil
18/08/2020 Portal Adesso - Foto: Divulgação

     A Famurs realizou uma pesquisa com 442 prefeitos do Rio Grande do Sul sobre o retorno das aulas presenciais para alunos da rede pública e privada. Questionados se as aulas devem voltar conforme o calendário proposto pelo governo do Estado, 418 prefeitos, que representam 94% das respostas, declararam que não concordam com a retomada das aulas presenciais dia 31 de agosto, iniciando pela Educação Infantil.

     O presidente da Famurs e prefeito de Taquari, Maneco Hassen, afirmou que, diante do relato dos prefeitos na última reunião com as associações regionais, era esperada a rejeição da proposta, mas o índice surpreendeu. “Nossa principal preocupação é garantir a segurança de alunos e professores”, ponderou.

     A pesquisa também aponta que, para 38% dos gestores, o retorno das aulas deve ocorrer apenas a partir da vacina para imunização da covid-19. Outros 33% acreditam que as aulas só devam voltar com a diminuição de casos de coronavírus e 25% somente a partir de 2021.

     A maioria dos prefeitos gaúchos também discorda que o retorno deva ser feito pela Educação Infantil. O levantamento aponta que 57% dos prefeitos entendem que o retorno deva iniciar pelo Ensino Superior; 16% pelo Ensino Médio e Técnico; 15% pelos anos finais do Ensino Fundamental; e 3% pelos anos iniciais. Apenas 6% concordam que o retorno das aulas comece pelos alunos de 0 a 5 anos. Os gestores também defendem que a educação pública e a privada devam voltar ao mesmo tempo (86%).

     Como justificativa para a rejeição da proposta, os prefeitos elencaram como principais problemas para o retorno das aulas o risco de contaminação de alunos e servidores públicos (92%); o cumprimento dos protocolos de saúde no transporte escolar (53%); falta de professores e a impossibilidade de contratar servidores devido ao período eleitoral (44%); falta de equipamentos de proteção individual, os EPIs (32%); e elevado número de casos de covidd-19 no município (29%).

     Com o resultado, a Famurs irá se reunir, nesta terça-feira (18/8), com os presidentes das associações regionais, para debater o posicionamento da entidade a respeito da proposta apresentada pelo Estado. O levantamento será apresentado ao Executivo na próxima quarta-feira (19/8), em reunião com o governador Eduardo Leite.


MAIS NOTÍCIAS