Geral


Ferrari fala sobre o parque temático que não veio para Garibaldi

Empreendimento de R$ 300 milhões anunciado no gabinete do prefeito apenas ficou no papel
10/09/2020 Portal Adesso - Foto: Portal Adesso

     A cada 4 anos, durante período eleitoral, os moradores de Garibaldi recebem anúncios de empreendimentos. Em 2016, nas vésperas da eleições foi anunciada a vinda de 40 empresas que se instalariam na cidade. O local, uma área às margens da BR 470, próximo ao Motel Della Montagna. 

Passados quatro anos, a cidade não recebeu na área uma empresa sequer. A única coisa que veio em meio ao terreno foi mato, inço e muitas ervas daninhas, nada a mais que isso. Agora, em 2020, outro anuncio foi feito. Mais uma vez, no gabinete do prefeito municipal Antônio Cettolin (MDB), foi anunciada que a prefeitura concedeu licenças para a construção de um resort que funcionará na comunidade de Garibaldina. Conforme anunciado, o empreendimento terá 200 apartamentos, e o complexo vai ter até água termal. O investimento, será de R$ 120 milhões.

     Se a obra realmente sair do papel, a comunidade ganhará muito, pois inúmeros turistas serão recebidos por aqui. Porém, este anuncio foi recebido com muitas dúvidas, afinal, mais uma vez, anunciado em período eleitoral. 

     Em julho do ano passado, mais um anuncio foi realizado no gabinete do prefeito de Garibaldi. Desta vez, um investimento de R$ 300 milhões. Cettolin e o empresário Fabiano Paloschi Ferrari anunciaram que Garibaldi ganharia um parque temático, no mesmo local onde as 40 empresas deveriam ter se instalado. 

     O parque, que seria construído em uma área de 12 hectares, teria vários brinquedos de tecnologia e aventura. Só o estacionamento, comportaria 500 vagas. Porém, o investimento não saiu do papel. 

     Nesta quarta-feira (09), o empresário Fabiano Paloschi Ferrari, participou do Porgrama Prato Limpo. Na oportunidade, respondendo ao questionamento de um internauta, ele explicou os motivos que o parque não saiu do papel.

     Conforme Ferrari, os investidores, muitos deles estrangeiros, optaram por esperar e após decidiram não mais participar do projeto devido a pandemia. De acordo com Fabiano, a análise feita pelo grupo previu que as pessoas deverão mudar seus hábitos de consumo e entretenimento e um investimento desta magnitude não deveria ser realizado em um período de incertezas. 

 

MAIS NOTÍCIAS